EQUILÍBRIO E HARMONIA NA PARENTALIDADE

Os pais e os filhos vivem numa simbiose holística, numa harmoniosa dança de sinergias, num equilíbrio natural e interdependente, em que o todo é muito mais do que a soma das suas partes.

Pais e filhos não são apenas maravilhosos seres individuais, com as suas necessidades e particularidades únicas, mas também uma sinfonia de amor, laços, emoções, vivências, experiências, genes, influências, energias, espíritos que nasce, evolui e se transforma ao longo do tempo, numa amálgama de interdependências que chamamos Família.

7-celtic-heart-necklace_gd2xca

E, nesta sinfonia, cada um dos pais e cada um dos filhos individualmente é também um todo maior do que as suas próprias partes, que se articulam com equilíbrio e harmonia num ser complexo e maravilhoso, com necessidades, sonhos, esperanças e um potencial deslumbrante.

Criar equilíbrio e harmonia na parentalidade não significa seguir um rígido conjunto de regras. Significa viver e fluir com base numa perspetiva holística, intuitiva, natural e completa de nós mesmos como um TODO. Das nossas relações simbióticas, das nossas necessidades para nos desenvolvermos de forma harmoniosa e de sermos bem-sucedidos como indivíduos e como família.

  • Holística porque somos mais do que apenas o nosso aspeto físico, o nosso comportamento, a nossa mente, o nosso conhecimento, as nossas emoções, o nosso talento ou as nossas ações levadas individualmente. Somos um sistema de várias partes interligadas e interdependentes que funcionam em harmonia para assegurarem o nosso bem-estar e a nossa prosperidade.
  • Intuitiva porque temos maravilhosos instintos e sentidos que são os nosso melhores guias no caminho. Somos energia, somos consciência, somos luz.
  • Natural porque somos naturais e perfeitos assim como somos, com todas as nossas imperfeições. E, como a natureza, estamos em contínua evolução e transformação.
  • Completa porque é quando nos sentimos em harmonia e equilíbrio, dentro e fora, que nos desenvolvemos como um TODO - mental, emocional, espiritual, social e fisicamente.

PORQUÊ EQUILÍBRIO?

Imagina que estás a passear na floresta e encontras um tronco de uma árvore deitado no chão. Tentas andar em cima dele. O tronco é redondo, os teus pés escorregam pelos lados. Instintivamente, o teu corpo procura reconquistar o seu equilíbrio – levantas os braços, balanças uma perna no ar, inclinas-te para um dos lados ou procuras agarrar-te para te manteres em pé.

Aprendemos este balanço corporal desde muito cedo. É algo que o nosso cérebro e o nosso corpo fazem instintivamente, pois "sabem" que é importante para o nosso bem-estar global e para que tudo o resto do nosso ser continue a manter o seu funcionamento a um nível optimal.

bb9f9777 copy_

O equilíbrio de outras áreas como mental, física, emocional, espiritual ou social não acontece tanto desta forma instintiva e visível. São áreas que desenvolvemos ao longo do tempo e em que precisamos de aprender como assegurar o nosso equilíbrio de forma eficaz, de acordo com as nossas necessidades, para atingirmos o bem-estar.

Esta aprendizagem começa desde o útero, através das interações que temos com os outros e da nossa própria experiência. À medida que crescemos, acumulamos, filtramos e processamos as nossas experiências às quais associamos emoções que guardamos como pontos de referência e que se tornam os nossos padrões de ação e reação emocionais, físicos, mentais, espirituais e de relacionamento. Quando a vida se torna "escorregadia", são estes padrões que nos levam ao repôr o nosso equilíbrio.

Felizmente, sendo eles padrões que foram aprendidos e não instintivos (como os que são vitais para a nossa existência, como a respiração, por exemplo), podem ser também desaprendidos ou melhorados, ou seja, podem ser modificados se assim decidimos. Podemos alterar a nossa atitude, o nosso pensamento, as nossas crenças, as nossas emoções e mesmo o funcionamento do nosso sistema imunitário e das nossas células, entre muitas outras.

O equilíbrio é a base do nosso bem-estar - aquele estado optimal, aquela vivência, em que tudo se conjuga maravilhosamente e flui naturalmente, em que estamos bem no nosso interior e demonstramos isto também no exterior, em que desfrutamos o momento presente, com consciência, tranquilidade e plenitude.

Quando crescemos e vivemos com equilíbrio e bem-estar, conseguimos acessar os nossos poderes interiores e libertar o nosso potencial extraordinário para evoluirmos e sermos bem-sucedidos e ajudar, ao mesmo tempo, os que nos rodeiam à serem bem-sucedidos também.

NÃO HÁ EQUILÍBRIO SEM DESEQUILÍBRIO

Não podemos compreender o equilíbrio sem também saber o que é o desequilíbrio. Desvios vão acontecer inevitavelmente e vão abanar ou influenciar a nossa balança.

Como Pais, o nosso equilíbrio influencia tudo - a nossa energia, os nossos comportamentos, os nossos resultados, as nossas relações, o equilíbrio da relação parental e influencia indiscutivelmente o equilíbrio dos nossos filhos e da nossa família.

Relação parental equilibrada

Aprender o auto-equilíbrio, a auto-regulação dos nossos poderes, dos nossos sentimentos e pensamentos, da nossa vivência, do nosso comportamento implica conhecer e compreender, em primeiro lugar, como podemos conjugar as nossas diferentes partes, como as compensar ou potenciar quando estão em desequilíbrio, de forma a assegurarmos a continuidade do nosso bem-estar geral.
E uma das consequências extraordinárias deste processo, além do nosso próprio bem-estar, é podermos ensinar os nossos filhos a auto-equilibrarem-se também e apoia-los neste caminho.

O TEU EQUILÍBRIO

Cada Mãe e Pai tem o seu próprio equilíbrio - aquela combinação única de energia, emoções, competências, valores, pensamentos, relações, etc. que a caracterizem. Cada um dos nossos filhos também tem o seu próprio equilíbrio. Não há dois iguais e cada um deve procurar identificar o seu.

Quando falo de equilíbrio na parentalidade, não estou a falar em perfeição. Procurar o equilíbrio não é uma corrida ou uma competição para encontrar a Melhor Mãe ou o Melhor Pai.

O equilíbrio não é um ponto ou um momento. É um intervalo, um fluir, um bem-estar que pode durar mesmo que a nossa balança tenha alguns desvios. É um entrelaçado de vivências, emoções, pensamentos, sensações que transcende o físico e o palpável. É energia, é força, é espírito.

O caminho para o TEU ponto de equilíbrio é uma viagem essencialmente pessoal, interior, contigo mesmo e que podes partilhar com os que são importantes para ti. O teu equilíbrio és tu que defines, és tu que identificas, és tu que controlas. TU e mais ninguém!

COMPANHIA

Quero ajudar-te a mudares de uma perspetiva tradicional (focada em resolver problemas pontuais como comportamentos, atitudes, linguagem, etc.) para uma perspetiva equilibrada e holística, focada nas vossas necessidades e nas vossas intenções, baseada:

  • no teu autoconhecimento e auto-regulação das tuas necessidades mentais, físicas, espirituais, emocionais e sociais, e
  • no conhecimento das necessidades do teu filho, no apoio que lhe ofereces para aprender a auto-regular-se e equilibrar-se,

para que ambos possam viver o bem-estar, alcançar os vossos poderes interiores e libertar o vosso potencial para serem bem-sucedidos. 

Se estás pronta(o) para começar o teu caminho para o equilíbrio, clica AQUI para começares por saber mais e definir um plano de ação.

Adorava ouvir a tua opinião, por isso convido-te a deixar um comentário mais abaixo. Partilha as tuas histórias, diz-me como é que o equilíbrio funciona para ti ou partilha os teus desafios e encontra apoio.

Se assim te faz sentido, considera partilhar este artigo com os teus amigos Pais!